Compartilhar

Conheça os exames para detectar má-formação fetal

Jornadas da Vida - Bebê a Bordo Por Jornadas da Vida – Bebê a Bordo
ícone de relógio indicando o tempo de leitura​ 6 min de Leitura
ícone de calendário indicando a data da publicação​ Criado em 20/04/2023 | Atualizado em 17/04/2023

Compartilhar

A gestação também é um processo delicado, que exige muita atenção por parte dos pais. Um dos focos de atenção é a questão da má-formação fetal, um problema que, infelizmente, pode acontecer com qualquer casal e seus bebês.

Isso ocorre quando o feto não se forma da maneira esperada, sendo que há casos mais ou menos graves. E esse tema é importante já que gravidez é um dos momentos mais importantes para a vida de muitas pessoas. Afinal, ela representa a perspectiva da chegada de um novo membro da família, o que não é pouca coisa.

Mas, afinal, como descobrir esse tipo de situação? Continue a leitura e veja quais são os principais exames para detectar a má-formação fetal, além de saber o que pode ser feito depois desse diagnóstico. Vamos lá!

O que é má-formação fetal?

A má-formação ou malformação fetal acontece quando, por motivos diversos, há uma alteração estrutural no corpo do bebê. Isso ocorre durante o desenvolvimento do feto e pode atingir membros, órgãos e estruturas variadas no decorrer do processo.

Em alguns casos, há correção para essas más-formações, seja com a cirurgia dentro do útero, seja após o nascimento da criança.

Em outros, não há a necessidade de intervenção cirúrgica, mas tratamentos e acompanhamento após o nascimento. Há alguns diagnósticos, no entanto, incompatíveis com a vida, e a gestação acaba não avançando.

Más-formações podem acontecer por diversos motivos, como alterações no DNA (ocasionadas por mutações), questões ambientais (o contato com alguns tipos de produtos químicos, por exemplo), uso de medicações, infecções, entre outros.

Como identificar má-formação do bebê?

A má-formação do feto pode ser identificada a partir de exames. Em alguns casos, é possível identificá-la a partir de testes sanguíneos ou de amostras de outros materiais, como do líquido amniótico (fluido que circunda o bebê durante a gravidez).

No entanto, o melhor método para identificar qualquer tipo de alteração são os exames de imagem. Eles podem fornecer informações mais fidedignas sobre as estruturas do feto, além de permitir que os médicos tracem planos mais seguros para a intervenção nesses problemas.

Quais são os exames para detectar má-formação fetal?

Má-formação fetal

Existem alguns exames que podem dar mais segurança durante a gravidez em relação a possíveis diagnósticos. Alguns são parte da rotina do pré-natal e outros realizados quando houver indicação médica. Confira!

Amniocentese

A amniocentese é um exame que, como o nome já diz, utiliza o líquido amniótico como material de análise. Ele não é solicitado a todas as gestantes, mas sim àquelas que têm bebês que apresentam alguma alteração em testes de imagem ou em outros casos específicos.

Esse é um exame invasivo, que utiliza uma agulha para a coleta do material diretamente do útero da mulher. Por apresentar riscos, é indicado apenas quando é realmente necessário. Ele serve para trazer resultados sobre alterações cromossômicas e outros problemas que podem gerar a má-formação.

Ultrassonografia morfológica

Também chamada de ecografia morfológica, essa ultrassonografia serve para fornecer detalhes muito mais fidedignos das estruturas do feto. Ela pode ser feita a partir do primeiro trimestre, especialmente entre as 12ª e 13ª semanas. 

Durante o exame, um importante dado coletado é a medida da Translucência Nucal (TN). No entanto, várias outras informações sobre a saúde do bebê também são conhecidas com esse ultrassom.

Ecocardiografia fetal

A ecocardiografia, também chamada de ecocardiograma, nada mais é do que um ultrassom do coração do feto. Por isso, é um teste não invasivo e indolor, que não oferece riscos ao bebê.

Ele pode ser feito tanto no começo quanto no final da gestação. Por volta das 18ª e 28ª semanas, se torna mais indicado para identificar possíveis alterações cardíacas, que poderão ser tratadas com mais eficiência caso o diagnóstico seja precoce.

NIPT (Pré-natal não invasivo)

Por fim, temos um teste que também busca a identificação de alterações no DNA da criança, complementando as imagens obtidas ao longo do pré-natal. Ele é seguro e não oferece riscos à mãe ou ao bebê.

É feito a partir da 9ª semana da gestação, sendo recomendado em alguns casos mais específicos. Ou seja: nem todas as futuras mamães vão precisar desse teste. Ele é feito a partir da coleta de sangue comum.

Quais são os sintomas de má-formação do bebê?

Muitas vezes, não há sintomas de má-formação fetal, que pode ser completamente silenciosa. Por isso, é importante fazer um pré-natal adequado, no qual o acompanhamento será frequente. Esse é o melhor caminho para a identificação precoce de qualquer tipo de problema.

No entanto, alguns sintomas podem estar associados a esse tipo de situação. Eles incluem:

  • sangramento vaginal;
  • dores abdominais, como cólicas;
  • dores de cabeça;
  • alterações visuais, entre outros.

Caso você note qualquer sinal como esse, diferente do previsto em uma gestação, não deixe de ir ao médico. Esses sintomas podem indicar diferentes quadros, mais ou menos graves. O importante é um profissional avaliar e verificar se está tudo bem.

O que fazer diante do diagnóstico de má-formação fetal?

Esse é um diagnóstico nada simples de ser recebido. Afinal, não é o algo que se espera durante a gestação. No entanto, é preciso manter a calma e seguir as orientações médicas.

Assim, seu filho e você estarão muito mais seguros, e você poderá obter todas as respostas sobre o tratamento que será feito, o prognóstico (resultado esperado) e muito mais.

E não se esqueça: com a saúde infantil, assim como a materna, não se brinca. Por isso, busque informações diretamente na fonte e siga o curso proposto pela equipe. Boa parte dos casos de má-formação é tratável, especialmente com um bom planejamento e detecção precoce.

Não hesite também em buscar apoio psicológico, pois ajuda profissional pode dar mais ferramentas para os pais lidarem com o diagnóstico, o prognóstico e as decisões que terão de ser tomadas.

Agora que você sabe o que é a má-formação fetal e conhece os exames utilizados para diagnosticá-la, não deixe de fazer o pré-natal corretamente e levar quaisquer dúvidas para o profissional que acompanha a sua gestação. Realizar os exames é algo fundamental para a segurança do bebê e da mulher!

Antes de ir, aproveite e assine a newsletter! Com isso, você fica por dentro das novidades e não perde nenhuma das publicações do nosso blog. Até a próxima!