Compartilhar

Segundo trimestre de gestação: saiba quais os sintomas e cuidados

Jornadas da Vida - Bebê a Bordo Por Jornadas da Vida – Bebê a Bordo
ícone de relógio indicando o tempo de leitura​ 9 min de Leitura
ícone de calendário indicando a data da publicação​ Criado em 01/06/2023 | Atualizado em 25/05/2023

Compartilhar

O segundo trimestre de gestação, período que vai da semana 13 até a semana 27, é uma fase com muitas transformações. O bebê começa a ter mais interação com a mãe e o ambiente, se movimentando, dando chutes, além de escutar e até mesmo identificar vozes.

Justamente por causa de toda essa evolução que acontece no segundo trimestre, esse período exige a realização de uma série de exames. Além disso, alguns cuidados são importantes para que a mulher e o bebê passem por essa fase da forma mais segura e saudável possível.

Neste post, você terá um panorama sobre o segundo trimestre da gravidez e quais os cuidados necessários nesse período. Boa leitura!

Como está o bebê no segundo trimestre de gestação?

O segundo trimestre de gestação é caracterizado pelo desenvolvimento e amadurecimento dos órgãos do bebê, como fígado, rins, sistema reprodutor, cartilagens, ossos, pulmões e intestino. Nesse trimestre, também é possível saber o sexo da criança.

Além disso, o sistema respiratório continua se desenvolvendo e o bebê já consegue realizar movimentos respiratórios ao inspirar o líquido amniótico. Isso permite o desenvolvimento dos pulmões, que seguem amadurecendo até o final da gestação.

Já o cérebro continua se formando e as conexões entre os neurônios passam a se desenvolver. O bebê já consegue se movimentar de forma mais ativa, podendo até mesmo ser sentido pela mãe. A audição, visão, olfato e paladar já estão desenvolvidos, assim como os reflexos de deglutição e sucção.

Ao final do segundo trimestre de gravidez, o bebê mede aproximadamente 34,7 centímetros de altura e a placenta está desenvolvida. Garantindo assim a quantidade adequada de vasos sanguíneos para fornecer todo o nutrimento de que o bebê precisa.

Quanto ao cordão umbilical, faz o transporte do sangue rico em oxigênio e alimento para o bebê, levando ainda os resíduos do bebê para a placenta.

Quais são os sintomas no corpo da mulher?

No segundo trimestre da gestação, as alterações físicas na mãe são muito mais visíveis. A barriga segue crescendo e a silhueta se torna mais redonda.

Os seios passam a aumentar de volume conforme a gestão evolui. Isso acontece por causa do desenvolvimento das glândulas mamárias e começo da produção do colostro. Portanto, pode vazar um líquido amarelo no sutiã.

Algumas mulheres sentem um pouco de dor nas costas, precisamente na região lombar. Contudo, ela pode chegar até as pernas. Isso acontece devido ao aumento da curvatura da coluna, causada pelo crescimento da barriga, o que pode acabar comprimindo o nervo ciático.

Essa mudança na curvatura da coluna altera o centro de gravidade do corpo, fazendo com que a mulher perca um pouco do equilíbrio corporal.

Além disso, a gestante pode ter incontinência urinária ou perda de urina e sentir outros sintomas. Incluindo azia, dor na pelve, sensibilidade nas gengivas, hemorroidas, prisão de ventre ou sensação de queimação no estômago.

Quais são os exames do segundo trimestre de gestação?

Exames do segundo trimestre de gestação

No segundo trimestre de gestão, é necessário a mulher se planejar para fazer ao menos duas consultas pré-natais. No acompanhamento com o obstetra, além de exame clínico, são analisados exames que monitoram e avaliam o desenvolvimento do bebê e a saúde da gestante.

Os principais exames do segundo trimestre de gestação são:

Pressão arterial

A medição da pressão arterial na gestação é fundamental. Afinal, quando ela está muito alta, há risco de pré-eclâmpsia, que pode ocasionar em parto prematuro.

Contudo, é comum que na primeira metade da gestação, a pressão diminua. Entretanto, ao longo da gravidez, a pressão arterial volta ao normal.

Se ela estiver aumentada, alguns motivos podem ser a malformação da placenta e a alimentação desequilibrada. É essencial avaliar a pressão arterial de forma periódica.

Altura do útero

O exame de altura uterina é feito pelo obstetra por meio da medição da região do abdome, com o intuito de avaliar o tamanho do útero da gestante (que, até a 28ª semana de gravidez, deve ter aproximadamente 24 centímetros) e o crescimento do bebê.

Ultrassom morfológico

O ultrassom morfológico é um tipo de exame de imagem capaz de visualizar o bebê dentro do útero da mãe. A recomendação desse exame é entre a 18ª e a 24ª semana de gravidez.

Ele avalia o desenvolvimento do estômago, coração, rins, quantidade de líquido amniótico e bexiga. Além disso, o exame consegue identificar o sexo do bebê e pode detectar doenças cardíacas e síndromes.

Urina e urocultura

Os exames de urina são importantíssimos durante a gestação. Afinal, com eles, é possível detectar infecções urinárias. Esse tipo de infecção, se não for tratada, pode causar complicações durante a gravidez ou no parto.

Portanto, é necessário fazer o exame de urina de tipo 1, chamado também de EAS, e, se for verificada qualquer alteração pelo médico, pode ser requerida a realização de uma urocultura, na qual são verificados microrganismos presentes na urina.

No caso de ser diagnosticada uma infecção urinária, o médico pode indicar o uso de antibióticos, contanto que não haja nenhum risco para o bebê ou para mãe.

Hemograma

O hemograma é outro exame fundamental no segundo trimestre da gestação, já que ele consegue captar diversos quadros, entre eles, a anemia.

A anemia é normal na gravidez, principalmente no segundo trimestre de gestação, pois há uma redução da quantidade de hemoglobina e aumento da utilização de ferro para suprir as necessidades do bebê. Contudo, isso pode representar risco tanto para o bebê quanto para a mãe.

Por isso, é essencial que o hemograma seja feito para diagnosticar a anemia o mais rápido possível para que, então, o tratamento possa ser iniciado.

VDRL

O VDRL é um exame feito para verificar se a mulher é portadora da sífilis. Esta é uma infecção sexualmente transmissível (IST) e pode ser transmitida para a criança na hora do parto, caso a doenças não seja tratada durante a gestação.

Toxoplasmose

Esse exame é realizado com a finalidade de verificar se a gestante tem imunidade contra a toxoplasmose. Isso porque a doença pode ser transmitida para o filho, caso a mãe adquira o parasita durante a gestação, e pode causar impactos negativos ao feto.

Caso a mãe não seja imune, deve realizar outros exames ao longo da gestação, para rastrear a doença, e tomar medidas para evitar se contaminar. A toxoplasmose pode ser transmitida para as pessoas por meio do consumo de água ou alimentos contaminados.

Fibronectina fetal

O exame de fibronectina fetal verifica se existe o risco de parto prematuro. Ele deve ser feito entre a 22ª e a 36ª semana de gravidez por meio da coleta de secreções cérvico-vaginais.

O médico poderá indicar que mulher faça outros exames, como creatinina, ureia e ácido úrico, eletrocardiograma, enzimas hepáticas e MAPA.

Além disso, podem ser exigidos exames de urina ou avaliação do corrimento genital e do colo do útero, para detectar outras doenças sexualmente transmissíveis, como a clamídia e a gonorreia.

Amniocentese

O exame de amniocentese pode ser feito entre a 5ª e a 18ª semanas de gestação, sendo indicado pelo obstetra para gestantes com mais de 35 anos, que tenham histórico na família de pessoas com doenças genéticas ou que tiveram bebês com doença genética, para identificar alterações que possam causar risco para o filho.

Quais são os cuidados no segundo trimestre de gestação?

No segundo trimestre da gestação, é crucial continuar seguindo todas as recomendações do médico, além de ingerir o ácido fólico, entre outros suplementos vitamínicos recomendados pelo obstetra, e evitar o uso de medicamentos por conta própria.

Para a gestante ter mais energia e forças para aguentar o trabalho adicional que a gestação exige do corpo, o médico pode recomentar a prática de alguma atividade física regular, como a caminhada, natação, pilates, ioga ou continuar a atividade física que já fazia antes de engravidar, mas de forma moderada e sempre acompanhada de um profissional especializado.

Além disso, é importante se alimentar de forma nutritiva e balanceada, incluindo verduras frescas, legumes e frutas, para fornecer os nutrientes e substâncias necessárias para o desenvolvimento do bebê.

Durante toda a gravidez, a orientação é evitar o consumo de cigarro, bebidas alcoólicas ou drogas de abuso, já que podem impactar negativamente o desenvolvimento do bebê.

Como podemos ver, o segundo trimestre da gestação é um período que requer bastante cuidado da mulher. Não deixe de consultar o seu médico e realizar todos os exames solicitados.

Este também é um período mágico, em que já é possível sentir o bebê se movendo, saber o sexo e curtir a barriguinha já proeminente.

Além disso, em muitos casos, é uma fase em que os enjoos já passaram e em que a mulher se sente com bastante energia. Se for o seu caso no segundo trimestre de gestação, aproveite para curtir o momento, pesquisar nomes, enxoval e decoração do quartinho.

Gostou deste conteúdo? Então, continue com a gente para saber como se preparar para a chegada do bebê!