Compartilhar

Maternidade aos 40: como estar preparada financeiramente?

Jornadas da Vida - Bebê a Bordo Por Jornadas da Vida – Bebê a Bordo
ícone de relógio indicando o tempo de leitura​ 6 min de Leitura
ícone de calendário indicando a data da publicação​ Criado em 20/06/2023 | Atualizado em 06/06/2023

Compartilhar

Um número crescente de mulheres está deixando para ser mãe mais tarde, o que faz a maternidade aos 40 se tornar cada vez mais comum.

Alguns dos motivos que explicam essa decisão são o foco na vida profissional, o desejo de priorizar outras experiências antes de se comprometer com a vida de mãe e a necessidade de se estabelecer financeiramente para só, então, engravidar, pensando em um melhor futuro para os filhos.

Independentemente do motivo, a maternidade aos 40, como em qualquer outra idade, fica mais tranquila e leve com planejamento financeiro.

Neste post, mostraremos os principais cuidados para que a mulher possa estar preparada, em termos financeiros, para essa nova fase da vida. Confira a seguir!

Maternidade aos 40: planeje o pré-natal e o parto 

A gestação e os primeiros anos de cuidado com a criança são incríveis, mas também cheios de desafios. Um dos pontos a que se deve ter atenção, especialmente quando se está planejando uma gravidez, é que há cuidados, procedimentos e necessidades financeiras ao longo dessa caminhada.

Quando já se sabe como funcionam esses processos, eles tendem a ocorrer de maneira mais segura e bem preparada.

Estamos falando aqui, por exemplo, dos cuidados com o pré-natal, o parto e o período após dar à luz.

Na maternidade aos 40, o pré-natal é um pouco diferente de quando se engravida aos 25 anos. Nesse sentido, como as mulheres mais maduras têm alguns riscos aumentados, as consultas devem ocorrer em intervalos menores.

Além disso, é preciso realizar exames específicos para o rastreamento e acompanhamento de possíveis alterações, sempre com orientação médica.

Há casos em que as mulheres optam por realizar certos procedimentos de modo particular, e não pela saúde pública ou mesmo pela saúde suplementar. Alguns exames que não são obrigatórios no pré-natal e o parto em si podem custar caro se realizados assim.

Portanto, se isso for um desejo e uma possibilidade para você, pesquise se há necessidade de escolher o caminho particular, peça indicações de bons profissionais e faça um levantamento dos valores.

No caso do parto, por exemplo, compare as vantagens e desvantagens de realizá-lo de modo particular com aquelas de se fazer o parto pelo plano de saúde ou pela saúde pública. O valor a ser gasto é viável? Vai trazer mais segurança? Essas são algumas perguntas a serem usadas em sua reflexão.

Observe os cuidados do pós-parto

Os cuidados pós-parto envolvem também planejamento financeiro. Com essa organização, talvez você consiga até tirar mais tempo para se preparar e para cuidar do neném. Além disso, não ficará tão ansiosa em relação ao impacto financeiro de se ter um bebê, por conhecer quais gastos estão envolvidos no processo.

Quando falamos do momento pós-parto, é importante ter em mente que não apenas o bebê precisa de cuidados, mas a mãe também. Por isso, ter uma rede de apoio é uma forma maravilhosa de aliviar a carga da mulher onde é possível.

A rede de apoio é formada por amigos e familiares dispostos a ajudar a mãe nesse período com atividades diversas, como cumprir algumas tarefas, fazer companhia, cuidar de parte da faxina, buscar fraldas, entre outros exemplos.

Como ter uma rede de apoio ampla nem sempre será possível, pode ser que seja necessário incluir no seu planejamento financeiro despesas com babá, entrega de refeições (para aqueles momentos em que você estiver muito cansada para cozinhar) e faxinas mais caprichadas na casa.

Para casais, é importante buscar a possibilidade de trabalhar em horários mais flexíveis, para que as duas pessoas possam se revezar no cuidado com a criança.

Pesquise valores de planos de saúde

A maternidade aos 40 impacta em alguns aspectos a questão do plano de saúde. Primeiramente, os preços dos planos variam de acordo com cada faixa etária. Assim, as mulheres maduras pagam mais em relação àquelas de 20 ou 30 anos, por exemplo. Por isso, caso você ainda não tenha um plano, é importante se basear nos valores relacionados à sua faixa etária.

Outro ponto relevante, caso deseje contratar um plano de saúde, é considerar a carência para realização de partos, que é de 300 dias, ou seja, cerca de 10 meses. Assim, o ideal é trocar de plano com tempo hábil para que você já esteja coberta na ocasião do parto.

É necessário, ainda, entender como os planos pesquisados funcionam em relação à inclusão do novo membro da família.

Planeje a sua carreira com a maternidade aos 40

Uma das grandes vantagens da maternidade aos 40 é a oportunidade de a mulher já ter uma estrutura financeira e uma carreira consolidada.

Isso não significa que não seja importante pensar em como a gestação e a maternidade impactarão no seu plano de carreira e objetivos futuros na profissão. Infelizmente, em nossa sociedade patriarcal, há empresas que ainda enxergam a maternidade como algo de impacto negativo, com o afastamento da mãe durante a licença-maternidade e, depois, para eventuais consultas, adoecimentos dos filhos, etc.

Por isso, não há como dizer que a maternidade não impactará na vida profissional. A vantagem do planejamento é pensar em tudo isso com antecedência, considerar os possíveis caminhos, tomar decisões agora que terão efeitos quando for o momento de ser mãe.

Guarde dinheiro antes para emergências 

Outro ponto importante no planejamento financeiro para a maternidade é juntar dinheiro para emergências. Esse hábito é sempre importante, mas mais ainda com a chegada de novos membros em sua família.

Aqui, não estamos falando do dinheiro que você economiza para grandes projetos futuros (trocar de carro ou de casa), aposentadoria, etc. Estamos falando de um valor para acontecimentos inesperados da vida, para os quais normalmente não nos preparamos (e aí precisamos justamente retirar dinheiro de outros projetos para cobrir essas emergências, o que não é o ideal).

Esse montante pode ficar na poupança ou em algum investimento que tenha retirada rápida, por exemplo.

Outra dica importante é contratar um seguro de vida. Assim, você protege financeiramente os seus dependentes, caso algo aconteça com você. Há ainda apólices que podem ser usadas em vida, como no caso de invalidez, doenças graves ou cirurgias, por exemplo.

Como você viu no artigo, a maternidade aos 40 pode ser bem leve e tranquila, especialmente se houver um planejamento financeiro adequado.

Portanto, com a maturidade, a mulher tem uma visão diferente do que é ser mãe, da sociedade, das relações humanas, o que pode contribuir para seu processo de maternar. Além disso, já ter uma carreira consolidada, com estabilidade conquistada na área, traz uma segurança bastante benéfica para a dedicação à maternidade.

Acha que amigos e familiares podem se interessar também por este tema? Compartilhe o artigo em suas redes sociais e ajude a levar mais informação sobre esse assunto tão importante!